sexta-feira, 6 de julho de 2018

Introjetado

Não sei ser a não ser, desejante
Condeno-me a condição livre
Correndo o risco, da liberdade
Ser somente uma ilusão

sábado, 30 de junho de 2018

Capoeira

Era um outro eu
Sempre deixado
Passado como o vento
Das manhãs que acordei

Era sempre eu
Transformado pelo dia que passou
E que levou e me trouxe
Aqui estou

Era eu e não era
O que sou
E se sou, serei sempre?
Fui com o que flertei

domingo, 17 de junho de 2018

na calada, da vida.

na sombria travessia
que a torna
sumidouro do espelho dele
em rosa pele
de veludo violeta
sorvem dois escorrendo em um

refém de respostas
coberta pelo tempo que a veste
não avista, despercebe
o olhar que lhe aponta
náufraga pela imagem
de um mundo inventado

quarta-feira, 9 de maio de 2018

dicotomia

é que busco
saber quem eu sou
no meio de muitos, loucos
que não querem saber não

domingo, 8 de abril de 2018

Passo onde tudo passa.

A saída é perceber,
quando tudo parece ruim,
que nunca é tão assim.

E sobre as certezas,
é certo que a vida muda,
e eu sigo assim.

Em voo

eu
sou
isso
Mesmo que ainda
um
esboço
disso.

sábado, 24 de março de 2018

Foda-se

Morro como sonhador ou visionário
Tanto faz
Meu interesse tá no percurso

Sonho por demais
Tanto faz
Vivo-os de todas as formas possíveis

Minha alma se impõe livre
Tanto faz
Livre estou, quando escolho ficar

quarta-feira, 7 de março de 2018

Da morte, a farsa é a vida.


A farsa do progresso é a ordem,
do eterno o amor.

Da imprensa a farsa é a notícia,
do pastor a dor.

Da liberdade a farsa é o controle,
dos fortes seu pudor.

Da sociedade a farsa são as classes,
da maldade o amor.

Da história a farsa é a verdade.
Quanto aos oprimidos? é que não sentem dor.

Para que servem as verdades?

Lei da atração

Quando o tempo para e tudo flutua
Por um beijo
Ou apenas o desejo que ecoa
Pelo silêncio da madrugada
Que nos separa

Onde tudo começa
Projetando o futuro
Que já caminha
Na direção do nosso encontro
Pelas vielas desse mesmo silêncio

É o desejo percorrendo
Os caminhos do tempo
Disfarçado e no descuido
Daqueles que dormem no presente
Enquanto a gente, já é quase futuro.