sexta-feira, 3 de novembro de 2017

bosquejo da consciência

dos corpos que nascem morrendo
a primeira morte, entre tantas outras vividas.
encontradas em um corpo
marcas que ainda ferem (ainda curam)
que do útero partiu, esse corpo
à deriva.
passa-se o tempo
entre anos, escorrem-se vidas
entre tantos ombros
lado a lado, perdidos.
é chegada a idade do encontro
o primeiro real, em muitos anos
desse corpo marcado
por um sono profundo.
é a vida, consciente e aflita.

Cê, mente?

A vida,
transborda?
Correntes.
Serpentes,
brotam?
Ardentes.
Palavra,
sabe?
Opostos.
Escolhas,
nascem?
Raízes.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Concedes-me esta dança?

A palavra verdade
tem muito mais a ver com a palavra liberdade
do que alguma ausência de mentira.

E se essa verdade é seguramente o certo
e está dentro da realidade apresentada,
provavelmente não me representa.

Desconfio que a palavra verdade, sustenta muitas mentiras.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

O para sempre e o sim

Não é possível viver para sempre
Viver sempre, sim. Jovem para sempre
Pensar jovem, sim!
Não sentir o tempo. Despercebido, sim.
A verdade é que oscilamos entre o melhor é o pior de nós
A fotografia sempre nos entrega
Pro bem ou para o mal
Um tipo de verdade instantânea


Utopia é tudo aquilo que coloca em xeque alguma verdade absoluta!

domingo, 18 de junho de 2017

O tempo passa?

De tanto me visitar,
resolvi morar junto.
Depois de tanto sufocar,
respirei lento e profundo.
O tempo não gosta da gente,
é que enquanto ele passa,
um deus quase indecente,
pra gente, é ele quem fica!

domingo, 21 de maio de 2017

De ponta-cabeça

Tem mais gente
Contida que contendo
Fodida que fodendo
Nesse mundo reverso

Borrasca

Minha angustia é temporal
É grito de solo árido
De terra seca, sufocada
Que dança e pede por água
No desejo de voltar a pulsar
Surgindo dos olhares possíveis
A luz e as cores dos meus dias

segunda-feira, 24 de abril de 2017

"Desamadurecer"

Não sei para onde irei
aqui, decerto o tempo não irá deixar
mas antes pedirei um momento
reservado e com o tempo.

E dançarei (não com ele)
com as dores
que pertencem a ele
e que não vou mais precisar.

Fui jovem por muito tempo
agora que amadureci
os erros
já não há mais como corrigir
em tempo, todos que cometi.

Impossibilitado desse acerto
resta cometer mais, outros talvez
E quando partir?
partirei assim, errado mesmo.

Profundidade

Entenda que a pele é o limite
a fronteira entre mundos
alguns são claros
outros escuros
tem escolhas rasas
mas podem ser profundas.

Pegadas de vento

Foi o destino
que de tempo e vento chega
escorrendo em direções diversas
é a energia que vai e que volta
com o tempo e pelo vento
linha curva que desenrola
em plano de voo regular
partindo de um ponto
na direção daquilo que pude oferecer
e desejar.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Navegação por estima

(ponto de partida, velocidade e rumo)

Futuro
enquanto você se distrai
o que era reta, vira curva
perde-se de vista

Futuro
a mudança acontece
quando o aprendizado se apodera
e transforma mais gente

Futuro
sinto que vivo
uma espécie de experimento
ainda assim, inevitável

Do futuro
espero que ele mude
não seja mais esse
que me oprime por saber
que ando de olho nele