quinta-feira, 2 de abril de 2009

QUEM SABE

A verdade é que sempre tive coragem
de me despedir dos grandes amores.
Um ato heróico ou uma banal fuga.
Nunca soube e acho que nunca vou saber,
mas isso não importa, não agora.

É verdade também que nunca os esqueci,
sinto saudades de todos.
Os amores, para mim, sempre foram
como uma música, que entra por cima,
aloja-se no meio esquerdo,
e faz meus pés levitarem.

Minhas melhores e piores lembranças.
Meu cinza e todas as minhas cores.
Minha pele e meu avesso.

Despedi-me como uma mãe,
que a beira do embarque de um filho,
sorri chorando, na espera do dia que ele ira voltar.

Mas como os filhos, os amores nunca voltam.
Não sei, quem sabe, acho que ninguém,
e acho que nunca saberei.

Um comentário:

Bianca De Vit disse...

Os amores... sempre os amores... E quem vai saber?!...