domingo, 19 de outubro de 2008

ASSINATURA

Se eu não tivesse corrido riscos,
se tivesse me protegido,
eu não teria sofrido, eu não teria rido,
eu não teria vivido.

Estaria, agora, sem referências,
sem perdas e sem o que pude construir.

Estaria privado dos momentos em que fui alvo,
e dos momentos em que atingi.
Dos momentos em que feri e dos que fui ferido.
Do sangue que dei e do que me tomaram.
Dos sorrisos, dos choros e dos momentos que nem pude olhar.

O que teria sido dos encontros que não teria sofrido.
Dos copos vazios na minha ausência.
Das fumaças que com meu pulmão libertei.

O que teria sido das noites que viraram dia,
dos dias que se transformaram em madrugadas,
e de todas as vezes que escolhi voltar.

O que teria acontecido com as bifurcações,
as diferenças, as cores e os odores,
que pude perceber nas esquinas por onde andei.

O que teria acontecido se tivesse
escolhido não viver a minha própria vida.

Toda vez que vierem me pedir para ser diferente,
tentarei explicar que não posso,
que sempre fui assim e sempre serei.
E que, se um dia eu morrer,
certamente, morrerei assim.

3 comentários:

Lininha disse...

Adoreiiiiiiiiii,me identifiquei.rsrsrs

Rodolfo disse...

Que bom Lininha!! rs

Suany disse...

Lindo!
Mas, ao ler, perco, por completo, a esperança de que um dia você leve uma vida sem tantos riscos. Isso é inerente a você, não é? É feliz ao se expor. O que me sobra, é tornar-me repetitiva, pedindo sempre, a Deus, a mesma coisa: "proteção para os meus filhos e netos, porém, olhando com mais cuidado, por esse filho aventureiro. Amo você, sabe?